quarta-feira, 8 de agosto de 2007

Segurança aérea para alguns!!!

Aconteceu num sábado, no dia 21 de julho.
Após perguntar se os freios do avião estavam funcionando, um passageiro da TAM foi retirado da aeronave junto com sua mulher pela Polícia Federal.
Os dois tinham acabado de embarcar, em um vôo que sairia de Recife (PE) com destino ao aeroporto de Confins (MG).
De acordo com a Polícia Federal, o passageiro havia pedido um fone de ouvido à aeromoça.
O aparelho estava com defeito e falhava.
Ele, então, aproveitou a deixa e perguntou à aeromoça se os freios do avião também estavam com problemas.
Uma das hipóteses investigadas sobre o acidente de 17 de julho, em Congonhas, é que possa ter havido falhas no sistema de frenagem do Airbus-A320.
Ofendida, a aeromoça chamou o comandante do vôo, que exigiu a saída do passageiro e de sua mulher, para que o vôo pudesse seguir.
Como eles se recusaram, a Polícia Federal foi chamada.
Com a chegada dos policiais, os passageiros saíram.
Segundo a PF, todos estavam calmos, apesar do constrangimento.
Não houve tumulto.
A polícia informou, também, que os passageiros registraram uma reclamação na Anac (Agência Nacional de Avião Civil) e embarcaram no vôo seguinte da própria TAM com destino à capital mineira.
Procurada, a assessoria da TAM informou que a empresa "lamenta que, num momento de luto e dor este passageiro tente fazer uso de expressões e atitudes inapropriadas e constrangedoras".
"A atitude do comandante de chamar a polícia foi apropriada levando em consideração a gravidade da situação", informa a assessoria da companhia aérea.
O comandante de uma aeronave tem autoridade para requisitar força policial e retirar um passageiro desde que este ofereça risco à segurança do vôo, mas o VOX LIBRE não entendeu que risco oferecia o passageiro que perguntou sobre as condições mecânicas do avião.
Afinal de contas, o consumidor não tem o direito de saber TUDO sobre aquilo que está comprando?
Já no dia 07 de agosto, um representante do Ministério Público Federal de Guarulhos, a fim de instruir uma ação civil pública, solicitou e obteve de uma vara federal de primeira instância, uma ordem de apreensão de documentos pertinentes ao controle do tráfego aéreo!
O procurador da república pretendia adotar medidas judiciais que obrigassem as companhias aéreas e quem mais fosse necessário, a resolver os problemas do “caos aéreo”.
A polícia federal foi requisitada a cumprir a tal ordem judicial de apreensão de documentos, mas algumas horas depois, uma ordem judicial de segunda instância determinou que todos os documentos apreendidos fossem imediatamente devolvidos.
O argumento foi o de que tais documentos são sigilosos porque são importantes para a “segurança nacional”.
Parece que a tal “segurança nacional” não abrange a segurança dos passageiros do transporte aéreo no Brasil, que permanecem sem ter o DIREITO DE SABER em que condições viajam pelos céus do país.
No dia de hoje, em depoimento em CPI da Câmara dos Deputados, o comandante da Aeronáutica fez revelações interessantes:
disse que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva só viaja em uma aeronave Airbus-A319 se os reversos estiverem destravados.
A ordem é do GTE (Grupo de Transporte Especial), ligado à Aeronáutica.
Segundo o comandante da Aeronáutica, Juniti Saito, a orientação é um "extra" de segurança às recomendações determinadas pela fabricante da aeronave.
"Por norma de segurança, não é permitido voar sem o reverso.
É uma norma de segurança para transportar o mais alto mandatário na nação, não pode operar sem o reverso",
afirmou o comandante durante depoimento à CPI do Apagão Aéreo da Câmara.
Saito lembrou ainda que parte da manutenção do avião presidencial é feita pela TAM.
Os três casos acima narrados de forma sumária levam a conclusões interessantes:
Os brasileiros que viajam de avião no Brasil não podem perguntar ou reclamar das aeronaves, sob pena de serem postos para fora com auxílio da força policial federal!
Os brasileiros que usam o transporte aéreo não têm o direito de saber o que se passa no controle do tráfego aéreo do país porque se trata de uma questão de “segurança nacional”!
Os cidadãos desse país que viajam de avião podem voar em aeronaves com apenas um dos reversos funcionando e o outro travado, porque o manual do fabricante diz que isso é "possível".
Se os dois reversos não são necessários para frear o avião, por que diabos foram colocados lá... no avião!!!
Sejam automóveis ou aviões, os fabricantes não costumam colocar acessórios inúteis.
Se está lá é porque deve funcionar e tem utilidade, ou não?
Pois o comandante da Aeronáutica disse que o avião presidencial só voa com os dois reversos funcionando perfeitamente.
É claro que o presidente da república é uma figura importante e só deve viajar em condições de segurança total!
Mas porque os demais cidadãos do país não têm direito à mesma “segurança plena”?
Se eu pago para receber um serviço de transporte aéreo, porque devo receber um tratamento diferenciado e com segurança menor?
O comandante da Aeronáutica usa sua autoridade para determinar que o avião do presidente da república só seja usado em perfeitas condições de segurança.
Por que o comandante da Aeronáutica não usa sua autoridade para estender a TODOS os usuários do transporte aéreo do país as mesmas exigências de segurança?
O VOX LIBRE toma a liberdade de opinar que a vida do presidente da república é muito importante, tanto quanto a vida de qualquer outro ser humano!
O comandante da Aeronáutica tem total responsabilidade sobre a segurança de quem voa no Brasil!
Quem deu a tal autoridade o direito de decidir quem merece mais ou menos segurança?
Quem deu a tal autoridade o direito de escolher quais vidas são descartáveis?
As autoridades responsáveis pela segurança do tráfego aéreo no Brasil têm todo o direito de acreditar que a vida do presidente da república é mais importante!
Cada cidadão deste país tem o direito de achar que sua própria vida é mais importante do que qualquer outra!
Há algo de muito errado na administração do tráfego aéreo do Brasil!!!

6 comentários:

andre wernner disse...

Caro Antonio,
Também, na época, tomei conhecimento desse incidente com o casal de passageiros da TAM. E o qualifico como uma vergonha para a companhia aérea, sabedora de suas deficiências, tratar o passageiro dessa forma, inclusive com a presença da Polícia Federal.

Por mais que o passageiro tenha errada em fazer uma insinuação que remete ao trágico acidente, bastava um pouco de diplomacia e tudo estaria resolvido.

Mas não. Essa gente anda muito prepotente. Estão se achando os donos da situação só porque tem as costas quentes. Bem como contam com a conivência da Anac, um órgão incompetente que está mais a serviços das companhias aéreas do que dos direitos dos passageiros, que seria a sua missão.

Lembro-me com saudades dos serviços prestados pela antiga Varig, nos vôos nacionais e internacionais que coloca esses serviços de bordo de hoje, no chinelo. Essas empresas estão mais preocupadas em ganhar dinheiro a qualquer preço do que prestar um bom serviço.

Se até o ministro Jobim falou do reaproveitamento do espaço que elas fazem dentro das aeronaves, diminuindo o conforto e a segurança dos passageiros, imagine então, em outros setores dos quais não temos acesso.

Parabéns pelo seu artigo. Irrepreensível!
Abs

Anônimo disse...

Eu diria que há algo de muito errado na administração terrestre brasileira...

gigoga disse...

off topic:

VAMOS LÁ VOTAR CONTRA A EXCRESCÊNCIA DA CPMF!!!!!!

http://www.contraacpmf.com.br/cpmf.asp

DESONERE A SOCIEDADE E FAÇA MUITOS POLÍTICOS TRISTES.

JÁ SOMOS 700000 MIL PESSOAS!

gigoga disse...

Eu não confio em ninguém que chega fazendo pirotecnias. Quem faz bem, atua nos bastidores, pois não tem tempo para fotos!!! Esse Sr. Jobim parece ser uma falácia a mais!

gigoga disse...

Eu não confio em ninguém que chega fazendo pirotecnias. Quem faz bem, atua nos bastidores, pois não tem tempo para fotos!!! Esse Sr. Jobim parece ser uma falácia a mais!

gigoga disse...

off topic:Eu se fosse o Lula rebatizaria a CPMF com o nome de: CFHC (Contribuição Fernando Henrique Cardoso). Quem sabe desta maneira, faríamos justiça a quem homologou o imposto, e tiraríamos esse riso fácil e blasé de seu rosto!