terça-feira, 21 de abril de 2009

Mergulhador morto em Angra dos Reis!

No último domingo, dia 19, Philipe Barros de 27 anos, foi encontrado morto na baía da Ribeira em Angra dos Reis!
O corpo da vítima tinha ferimentos profundos e múltiplas fraturas e segundo as conclusões iniciais dos médicos legistas a vítima estaria mergulhando e teria sido morta ao ser atingida por hélices do motor de alguma embarcação.
Segundo o noticiário, a polícia judiciária abriu um inquérito para apurar homicídio culposo (quando não há intenção de matar), e, ainda segundo o noticiário, a polícia investiga se a própria vítima não teria tido responsabilidade pelo acidente que a matou!
Isso porque a vítima estaria mergulhando sozinha e não teria sinalizado com bóias próprias o local onde mergulhava.
Parece uma notícia normal, mas não é!
É uma notícia surrealista, como sói ocorrer no Brasil!
Diante de uma morte obviamente de causas não naturais, nenhuma possibilidade deve ser descartada na investigação e a idéia de que se tratou de um acidente e, portanto, de um homicídio culposo, é no mínimo precipitada.
Afinal de contas quem pode garantir que o mergulhador não pode ter sido atropelado pelo condutor de uma embarcação de forma intencional?
, e aí estaríamos diante de um homicídio doloso, ou seja, um assassinato proposital!
Além do mais, presumir que a vítima possa ter causado sua própria morte é uma tese, para se dizer o mínimo, leviana e absurda!
O editor deste VOX LIBRE já integrou um grupo dedicado à prática de mergulho submarino e pode afirmar que, realmente, todos os adeptos de tal atividade desportiva sabem que uma das básicas normas de segurança é nunca mergulhar de forma solitária e ainda, sabem também que a sinalização do local de mergulho com bóias especiais é obrigatória, entretanto, é preciso lembrar que o ser humano é sempre prioritário.
Segundo a mesma concepção distorcida contida na notícia em questão, pedestres que atravessam fora da faixa, ou com o sinal fechado para eles, ou debaixo de passarelas podem ser atropelados impunemente porque provocaram a própria morte ao adotar uma conduta de risco!
Acontece que não é assim que as coisas funcionam por uma razão muito simples: seres humanos existem neste planeta antes dos automóveis ou das lanchas, e assim, mesmo que adotem condutas de risco, eles, os seres humanos têm, sempre, preferência!
É claro que pode ter sido um acidente a morte do mergulhador Philipe Barros, e é claro também que tudo indica que a vítima tenha desprezado normas comezinhas de segurança, mas isso não justifica que uma investigação policial já parta, desde seu início, da premissa que a vítima causou sua própria morte, ou que o homicídio foi culposo – não intencional!
A não ser que estejamos diante de um investigador com poderes paranormais, que já saiba de antemão o resultado da investigação que está só começando!

4 comentários:

Marcia H disse...

Pelo jeito o mundo está cada dia mais louco!

Anônimo disse...

Meu amigo PH, saiba que vc faz falta em nossas vidas, sempre alegre, um bom amigo e um médico dedicado e preocupado com o ser Humano....... que Deus te acolha em seu novo caminho....

Elaine Paiva disse...

Infelizmente essa é uma realidade de anos da polícia brasileira. Com algumas ressalvas, poucos casos são esclarecidos de verdade. Penso que depende muito do interesse do investigador.
Passando por aqui para deixar um abraço. Já faz algum tempo que lhe visitei virtualmente, mas seu blog estava, digamos, meio abandonado.
Bom te ler.
Sds...Elaine Paiva

tunico:uma pessoa comum,branco de olhos azuis disse...

Prezado Rayol, ainda bem que existe um Estadão para relembrar as agruras que você ainda passa por ter cumprido a Lei. Volte a escrever. Está fazendo falta na blogosfera. Precisamos de gente boa e séria como você ajudando a melhorar nossa democracia e preservar os valores da dignidade, honestidade e verdade.