sexta-feira, 25 de abril de 2008

O pequeno gambazinho RAMBO!

Por ignorância ou má fé, nós, seres humanos, destruímos o meio ambiente sem perceber que cavamos nossa própria sepultura!
Todos os seres vivos, vegetais e animais, integram um sistema interdependente e harmônico.
Aos que pensam que é possível ao ser humano sobreviver no planeta sem as outras espécies animais e vegetais podemos dizer que estão enganados.
No planeta Terra, os seres vivos, animais e vegetais, dependem uns dos outros, quer queiram ou não!
Na medida em que as habitações humanas avançam sobre áreas outrora ocupadas por vegetação e ecossistemas naturais as conseqüências danosas se fazem sentir logo.
Se derrubamos as árvores, os pássaros que ali habitavam se vão, e os insetos, que antes eram alimento dos pássaros, proliferam descontroladamente e nos incomodam!
No bairro onde mora o editor deste VOX LIBRE, em Camboinhas/Niterói, ainda persistem exemplares da fauna silvestre, como corujas buraqueiras e gambás!
Na medida em que as construções vão ocupando os terrenos antes livres, tais animais vão perdendo seu espaço vital.
Há uns três meses atrás, o cidadão que nos presta serviços de jardinagem informou que havia um “saruê” vivendo no forro do telhado de nossa garagem.
O cidadão jardineiro queria saber se podia capturar o tal “saruê”, “eliminando” o “problema”, aduzindo ainda, que iria “comer” o “saruê”, que segundo ele, tem carne saborosa!
Depois de breve conversa, descobrimos que o tal “saruê” era um gambá, um didelphis marsupialis, um dos mais antigos mamíferos de que se tem notícia.
É claro que repelimos de pronto a proposta de “eliminar o problema”.
“- Deixe o gambá onde ele está!”
Foi nossa pronta resposta, e ainda informamos que a captura do tal animal era proibida por lei!
Os gambás são mamíferos marsupiais e, portanto, muito antigos.
São parentes dos cangurus!
Seus filhotes nascem pelados e cegos e se arrastam até uma bolsa na barriga das fêmeas onde mamam e completam seu desenvolvimento.
Os filhotes só saem da bolsa da mãe com cerca de 70 dias de vida e ficam agarrados nas costas da mãe até se tornarem adultos.
São animais de hábitos noturnos e comem de tudo, inclusive cobras, sendo imunes ao veneno da maioria delas.
Pessoalmente, preferimos gambás vivendo em nosso terreno do que cobras peçonhentas!
Um gambá adulto é do tamanho de um gato e muitos gambás são mortos por pura ignorância, porque são confundidos com ratazanas gigantes.
Um gambá realmente se parece com um rato, mas tem um focinho mais parecido com o de um porco e tem também uma dentadura impressionante, mais parecida com a de um carnívoro do que com a de um roedor.
No último dia 15 de abril ao chegar em casa, encontramos, no meio da rua, um filhote de gambá encharcado pela chuva forte que caía e desorientado, sem saber para onde ir.
A alguns metros de distância, encontramos a mãe e outro filhote, mortos, provavelmente atropelados!
Infelizmente, achamos que a mãe-gambá, era a que morava no telhado de nossa garagem.
Recolhemos o filhote perdido, secamos seu corpo e o colocamos em uma caixa de isopor com uma lâmpada de 25 watts para proporcionar calor.
Providenciamos água, um pequeno pedaço de melão e meio ovo de codorna cozido.
O animalzinho se salvou da morte e adquiriu nova vida!
No momento, estamos providenciando sua transferência para os viveiros da Fundação ZOONIT, em Niterói, que tem larga experiência na recuperação de animais silvestres e em sua recolocação em ambientes silvestres longe da ação humana.
Nosso gambazinho, em face das circunstâncias adversas a que sobreviveu, foi batizado como RAMBO!
Cremos que tais pequenas atitudes podem contribuir para a preservação do meio ambiente!

7 comentários:

Preservar ou não o nosso gambá-rei? disse...

Volta e meia recebo a visita de gambás e raposas. As raposas e os pássaros gostam das uvas do meu parreiral (8 pés de uva).

Cuide bem do seu "Rambo", porque aquele outro tão popular "gambá" é tão esperto que se tornou incassável!

Alice disse...

Parabéns e muita sorte para o Rambo :)
Eu queria entender o ser chamado humano , que tem prazer em destruir a natureza , em matar os animais indefesos ,que mata sua própria espécie com as desculpas mais esfarrapadas ...que aconteceu com o homem ? que caminho é esse que ele passou a trilhar ? que não consegue mais voltar para a sensibilidade ...eu tenho medo do que estão fazendo com o planeta...
Boa noite :)

Elaine disse...

Rayol passando aqui para avisar que agora quem desejar poderá ler meu livro online através do link abaixo.
http://blogcronicas.com/Segredo/
Bom final de semana!
Elaine

A "Liberdade de Expressão" que os covardes desejam... disse...

De covardes e corajosos

Os maconheiros — aqueles que fumam maconha; assim como o tabagista, eu sou um, fuma tabaco — mudaram de tática (terão uma estratégia?) e agora vão fazer uma reunião em defesa do que chamam “liberdade de expressão”. Bom.

Quer dizer que posso ir lá, em nome da liberdade de expressão, defender que a Justiça fez muito bem em proibir a marcha? Ou isso seria considerado uma espécie de provocação e sabotagem? Não é preciso responder. Trata-se de uma pergunta puramente retórica.

Essa conversa de “liberdade de expressão” tem lá a sua graça. Um dos princípios dos estados democráticos e de direito transformou-se numa espécie de culto da vontade. “Estado democrático” define aquele em que as leis são feitas de acordo com a vontade da maioria; “estado de direito” quer dizer que essas vontades são expressas em leis — não em julgamentos sumários ou a depender de maiorias de ocasião, que se formam a favor disso ou daquilo.

Assim, “liberdade de expressão” não corresponde a dizer o que lhe dá na telha. Há “vontades”, “tendências”, “gostos”, “práticas”, “hábitos”, “desejos” — escolham aí outras palavras do mesmo paradigma — que são rejeitados pelo “estado democrático e de direito”, entendem?

Lamento, “companheiros”, há coisas que a sociedade rejeita: uma Marcha DA Maconha não é livre exercício de uma opinião. É uma afronta ao “nosso” estado democrático e de direito. Ninguém quer proibir ninguém de fumar o que lhe faça feliz. Mas que o indivíduo arque com as conseqüências. Assim é a vida.

Os dias correntes, de exacerbação dessa subjetividade um tanto adolescente — a adolescência já chega aos 40 anos... —, acredita que as maiores barbaridades podem ser ditas em nome da tal “liberdade de expressão”. Sabem aquele professor de história que comemora atentados terroristas? Pois é... Seu fiéis ainda hoje mandam comentários afirmando que ele tem “direito de ter uma opinião”. Tem? No meu estado democrático e de direito — que é o meu e o da Constituição —, lugar de gente que faz a apologia do terrorismo é a cadeia.

Aquele tal que se identifica como “sociólogo” e comanda a Marcha DA Maconha quer mudar a lei? Arrume um deputado ou senador com imunidade parlamentar para abraçar a sua causa. Acho que não vai conseguir porque ninguém será maluco o bastante de comprar uma tese rejeitada pela esmagadora maioria da sociedade brasileira, aquela, sabem?, representada no “estado democrático e de direito”. Pesquisa Datafolha publicada no domingo evidencia que o maior — e justificado — medo do paulistano é ter algum jovem da família envolvido com as drogas.

Esses valentes deveriam ter a coragem — já que pretendem posar de mártires — de ir defender a liberdade de expressão nos morros no Rio, lá onde ninguém pode “se expressar” contra a vontade do chefe do tráfico. Ou morre queimado numa pira macabra de pneus.

Defender o direito de fumar maconha — numa suposta manifestação em favor da liberdade de expressão, sob a proteção da polícia — é coisa para covardes. Os corajosos vão defender o DIREITO DE NÃO FUMAR lá no Morro do Alemão.

Por Reinaldo Azevedo " - 05/05/2008

Blog Reinaldo Azevedo

Enquanto isso, na República da Banânia Apedêutica... disse...

*

... um delegado de Polícia do Rio de Janeiro, o sr. Orlando Zaccone, acreditem, escreveu um artigo (favorável!?) no blog Marcha DA Maconha!

Nota: vide comentários no Blog do Reinaldo Azevedo.


Pelo andar da "Carruagem Moral, Ética e Justiça" brasileira, logo teremos:

- Promotor de Defesa
- Juiz Consultor Sobre Brechas e Atalhos das Leis



Não demorará muito e os marqueteiros mercenários irão bolar campanhas e anúncios, do tipo:

"Garanta o retorno financeiro de suas ações criminosas!


Antes de cometer um crime, não se esqueça de contratar:
- Um Delegado "Zen" de Polícia
- Um Promotor de Defesa
- Um Juíz Consultor Sobre Brechas e Atalhos das Leis!"

seusilveira disse...

sé que esses gambás são extremamamente agressivos quando querem comer. atacaram minha cachorrinha de dois meses, no meu quintal e ela está quase morrendo. Lindo!!! Parabéns!! Salvem os sarues e foda-se os cachorros!

rosandra disse...

Achei caido na calçada ,o que acho ser um filhote de gambá ,pensei que estivesse morto mas se mexeu,enrolei em um folha de caderno e trouxe para casa,tapei ele com algodão,papel e coloquei ele em uma caixa,mas ele é minúsculo não enchergo nem boca.Pensei que iria chegar em casa de volta do serviço e ele não estaria mais vivo,felizmente está.Por favor o que faço será que tenho dar leite? Mas com? Ele deve ter caido da bolsa de sua mãe será que tem algo o que possa fazer?