segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

É uma boa notícia? Ou não?

O novo ano começa de forma alvissareira na área da segurança pública carioca!
O secretário estadual de segurança pública anuncia, com pompa e circunstância, que a polícia, em 2008, vai PRIORIZAR o combate aos HOMICÍDIOS!
Há pelo menos uns três mil anos atrás, pensadores estabeleceram que a VIDA é o mais importante bem do ser humano, para não dizer que o é de qualquer ser vivo.
O conceito filosófico é de fácil compreensão, já que para a criatura que está morta, nada mais importa!
A LIBERDADE é o segundo bem mais importante e, como já dito, para quem está MORTO, a LIBERDADE, ou sua ausência, não faz a menor diferença!
Isso significa que o anúncio do secretário de segurança pública do Rio de Janeiro, de priorizar o combate aos homicídios, está com, pelo menos, uns trinta séculos de atraso!
O Rio de Janeiro, segundo estatísticas da mídia impressa, ostenta a nada lisonjeira média de cerca de dezessete homicídios diários!
A pergunta irresistível é a seguinte:
Se em 2008 a segurança pública carioca vai priorizar o combate aos assassinatos, até então, QUAL ERA A PRIORIDADE DA SEGURANÇA PÚBLICA DO RIO DE JANEIRO???

2 comentários:

"A nossa prioridade é sentir o gosto do poder e depois veremos o que faremos" disse...

A prioridade nesses anos todos teria sido a "acomodação no prédio da Secretaria", "período de adaptação" e o "treinamento do neófito e seus assessores diretos", à cada mudança da cúpula da segurança no Rio de Janeiro?

1 milhão de homicídios em 30 anos. É pouco, ou muito? disse...

É pouco - Opinião de um feliz alienado 'social': "Na minha família e também considerando os meus parentes e conhecidos do meu bairro, felizmente, ninguém foi assassinado. Pra mim, acho que um milhão seja estatisticamente aceitável... Poxa!, isso aconteceu no decorrer de 30 anos, não foi tudo acontecido em 2.007. Esse novo governador e o presidente reeleito prometem e boto fé neles, vamos dar um crédito pra eles e ver no que vai dar."

É muito - Opinião emocionada de uma mãe, abraçada aos seus filhos pequenos: "O meu marido nem tinha reagido ao assalto. Ele foi assassinado por um assaltante que fora solto dias antes, um assaltante que havia escapado do flagrante depois que tinha cometido um outro assassinato, também durante um assalto. É uma tragédia, uma vergonha o nosso país. Um milhão de homicídios, em plena 'paz'? É uma vergonha, e os políticos só prometendo e nada cumprem. O meu voto ninguém mais vai ganhar."

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.

Em 3 décadas, 1 milhão de homicídios

"Por Wilson Tosta, no Estadão:

Quando completar 30 anos, no fim de 2008, a mais antiga e confiável base de dados sobre mortes do Brasil, o DataSUS, do Ministério da Saúde, iniciada em 1979, apontará um número de homicídios acumulado nessas três décadas bem próximo - um pouco maior, um pouco menor - de 1 milhão. A conta é comparável à de países em conflito bélico. Angola levou 27 anos para atingi-la, mas estava oficialmente em guerra civil.

Os números são apresentados por um estudioso do fenômeno da violência, o economista Daniel Cerqueira, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), para chamar a atenção para a “tragédia anunciada” da segurança pública brasileira. “A questão social não seria unicamente responsável se a gente tivesse um sistema coercitivo que funcionasse. Temos um sistema de segurança pública falido. A violência é como um barco à deriva desses problemas sociais, socioeconômicos”, diz. "