sexta-feira, 14 de setembro de 2007

A escolha no Senado brasileiro é FRAUDE, ou FRAUDE?

Apesar do intenso noticiário a respeito, este VOX LIBRE tem se abstido de comentar o rumoroso "caso" RENAN CALHEIROS!
Por quê?
Um pouco por falta de tempo, outro pouco por cansaço e ainda também por desânimo!
Com tanta gente boa falando a respeito que diferença faria este humilde blog?
Mas com a absolvição do citado senador pelo plenário do SENADO, recebo uma mensagem de um amigo cujo nome não divulgamos porque não fomos autorizados a tanto!
E ele (o amigo), contribui com uma contribuição de natureza aritmética!
A cassação do mandato do presidente do Senado, RENAN CALHEIROS, por quebra do decoro parlamentar foi rejeitada por 40 votos!
O número 40 parece adquirir valor cabalístico no atual panorama político brasileiro!
Os votos a favor da cassação do mandato foram 35, e 6 votos foram abstenções!!!
Como são 81 os senadores, é correto concluir que as 6 abstenções foram decisivas a favor do senador RENAN CALHEIROS!
Se 6 senadores foram contra a cassação, também não seriam capazes de votar a favor!
Aos 6 senadores que "subiram no muro" faltou coragem para assumir uma posição!!!
O problema aritmético que nos traz o amigo a que nos referimos no início deste post é que em pesquisa efetuada pelo site de notícias G1, do grupo GLOBO, 46 senadores declararam que votaram a favor da cassação do mandato do senador RENAN CALHEIROS!
Logo, há um problema muito sério aí!
Ou o painel eletrônico do senado da República foi fraudado, ou temos pelo menos 11 (onze) senadores MENTIROSOS, pois que declararam ao site G1 que votaram a favor da cassação, quando na verdade votaram CONTRA a cassação do mandato ou se abstiveram!
O que é que vocês, piedosos leitores do VOX LIBRE, acham?
O painel eletrônico do Senado foi fraudado, ou temos em nossa República, pelo menos, onze Senadores MENTIROSOS???
Seja qual for a resposta, trata-se de uma FRAUDE!!!
Uma FRAUDE contra nós, cidadãos, que pagamos com nosso suado dinheirinho, o salário dessa gente!
Quosque tandem abutere patientia nostra?

4 comentários:

Para se votar em "Sessão Secreta" não é preciso ter dedo mindinho e nem ter conhecido o seu pai... - disse...

Se, "aritmeticamente", chegou-se à conclusão que temos 11 senadores mentirosos no Senado,

Então, temos 70 senadores não-mentirosos!!!

O povo que é representado por uma larga maioria de senadores não-mentirosos, "é um povo marcado, um povo feliz..."

Povo feliz elege e reelege seus representantes de confiança!

Conclusão (parece "idiota", mas não é!): "CADA POVO TEM O GOVERNO QUE MERECE".

Marcos disse...

Ah, a votação secreta. E pensar que tudo isso poderia ter sido passado a limpo com uma seção aberto, com o voto declarado...

Alice disse...

Eu tenho certeza que são 11 " pinóquios " ,mas não é para ficar animadinho não , pois na verdade , tem mais mentiroso por lá :) ...
Tem de td , tem os que ficaram encima do muro ,que feio , não se posicionaram ,pior que são nossos representantes ...
Quem foi que passou procuração para eles se omitirem ? quem foi que falou para eles votarem contra a cassação ? me desculpa a expressão , mas isso se chama : " rabo preso " !!!
Boa semana :)

Raul--Klatos disse...

Vivemos em um Brasil onde o Parlamento, que deveria ser referência máxima de justiça de um país, mostra-se ao contrário. Virou um parlapatão. Como viver digno e confiante se aqui neste país¹³, tem exemplo de podridão no congresso. Homens que lá colocamos, para criar leis, para conduzir nosso futuro, mentem, roubam, lapidam o erário e não podemos fazer nada. Votamos nessas pessoas, e quando eles votam suas falcatruas, o voto é secreto. Será "fraude" ou Fraude", eis a questão!!Rui Barbosa deve estar como um avestruz de tanta vergonha, de tanta impunidade, de tantas mentiras, dentro de que um dia foi, sua casa magna.


"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto" (Rui Barbosa em discurso no Senado, 1914. )