segunda-feira, 11 de junho de 2007

As PROSTITUTAS e a LIBERDADE!

Em 16 de março publicamos neste VOX LIBRE um texto intitulado PROSTITUTAS POLIGLOTAS!, quem quiser conferir é só acessar os arquivos do blog!
Nos comentários ao tal texto, uma visitante que se identificou como CLAUDIA, afirmou ter sido prostituta e defendeu a "profissão"!
Acho que já deixamos muito claro que nada temos contra as prostitutas!
PROSTITUIÇÃO não é CRIME, o que é CRIME é explorar a prostituição.
Qualquer cidadão ou cidadã, tem o direito de se prostituir se assim o desejar.
Ocorre que ultimamente, as autoridades cariocas resolveram reprimir a prostituição no Rio de Janeiro, mais especificamente na Avenida Atlântica em Copacabana, provavelmente o calçadão mais famoso do mundo!
A polícia está recolhendo prostitutas e travestis que supostamente oferecem seus "serviços" naquele logradouro!
Os "suspeitos" de prostituição estão sendo levados compulsoriamente a uma delegacia de polícia para fins de averiguação e cadastramento.
Trata-se provavelmente de uma operação de "limpeza" em face dos próximos jogos PAN-AMERICANOS.
Mas as prostitutas não estavam tendo aulas de inglês e espanhol justamente para melhor atender seus clientes?
Foi esse o mote de nosso post pretérito mencionado ao início deste texto!
A polícia carioca está realizando uma operação ILEGAL!
Ninguém é obrigado a ser conduzido compulsoriamente a uma delegacia de polícia a não ser que haja sido preso em flagrante delito.
Como prostituição NÃO É CRIME, nenhuma prostituta pode ser recolhida à força e levada a uma delegacia!
Aliás, qual o critério que a polícia carioca está usando para decidir quem é prostituta ou não no calçadão da Avenida Atlântica?
O traje?
A postura?
Prostituta ostenta uma "etiqueta" na testa?
Certamente a polícia do Rio de Janeiro tem coisas muito mais importantes para fazer, e parece que não faz!
A prostituição é um problema social que não se resolve com medidas de força.
O que as autoridades devem fazer é implementar programas que possibilitem a quem se prostitui, meios alternativos de ganhar a vida
Mas isso custa muito mais caro e talvez não dê tanto ibope na mídia!!!

6 comentários:

Antonio >> antoniocsantos@hotmail.com disse...

Em comentário e esse post :
- E O QUE DIZER DA REDE GLOBO DE TELEVISÃO QUE TEM UMA PERSONAGEM NA NOVELA DAS OITO ( MAIOR ÍNDICE DE IBOPE !! ) FAZENDO UM PAPEL DE PROSTITUTA ? E A MÃE DA PROTAGONISTA QUE ERA DONA DE UMA " CASA DE TOLERÂNCIA" ??
Hipocrisia pouca, é bobagem .

Ricardo Rayol disse...

Só mais uma arbitrariedade carioca.

Anônimo disse...

Em Bauru-SP a hipocrisia é maior ainda: Um prostíbulo (Casa da Eny) foi tombado como patrimônio histórico cultural, e as moçoilas não podem fazer ponto em uma determinada avenida.

Alice disse...

O que querem com isso ? varrer, esconder embaixo do tapete ?

GOZAR JUNTO OU LUTAR CONTRA ESSE SOCIALISMO TRAVECO, HEIS A QUESTÃO! disse...

(O comentário a seguir seria compatível com o assunto "AS PROSTITUTAS e a LIBERDADE!"? Ou, não?... hehehe...)


- A tolerância com drogas esquerdopatas causa dependência. Em doses excessivas ou associada ao álcool, pode levar a democracia à morte.

- Exceções e tolerâncias injustificáveis quando partem de corruptos, demagogos e incompetentes, contando com o implícito consentimento da “maioria silenciosa”, sempre determinarão o sofrimento e o choro de uma Nação.

- “Perguntar não ofende”: Em função da socialização e geração de renda através do patrimônio público legado pelos nossos antepassados, o grande quarto do “berço esplendido” deve ser transformado em bordel de luxo, ou subdividido em pequenos quartos e transformado em zona de quinta categoria – socializando assim, o prazer carnal?


Na lida pela manutenção no Poder, a outrora “Situação querendo contar com o apoio da outrora “Oposição” para algumas de suas “intenções um tanto escusas e até reais necessidades de mudanças”, foi “compreensiva” em algumas reivindicações da “Oposição” e suas minorias representadas. Concordou com algumas "exceções" e “pequenos atos de tolerância” - descumprindo certas leis, procedimentos, etc. Era o custo para provar aos opositores o espírito e que a democracia era de fato um realidade, duramente conseguida de volta e com a ajuda desses mesmos opositores. Diante de inéditas e "corajosas" exceções e demonstrações de tolerância por parte da “Situação”, a “Oposição” agradecia e passava a contar ainda mais com o apoio de suas “minorias” e grandes parcelas da população - até então “duramente mantidas à margem da sociedade, das discussões dos problemas sociais e decisões políticas”. Aos poucos a “Situação” foi se desarmando e se “despreconceituando (hehe...)”, encontros e fortes abraços com o pessoal da “Oposição” eram mais freqüentes. A “maioria silenciosa”, passiva e sempre naquela do “sem querer querendo... ser sacaneada!”. As “minorias” foram ficando cada vez mais “salientes”, uma passadela de mão daqui, outra passada abusada de mão acolá. Os "podres" dos antigos detentores e “tutores da democracia” passam a ser do conhecimento e divulgados pela “Oposição” e suas “minorias”. Até que “Situação” e a “Oposição” chegaram no patamar da camaradagem e promiscuidade... e, pimba!, a “democracia tutelada pelos representantes da então maioria silenciosa” é estuprada, esculhambada e desmoralizada. Acordos, antes considerados quase impossíveis, agora são firmados (exemplo, a atual “Oposição” concordando em não punir mensaleiros, bla, bla, bla – seria “rabo preso”, chantagens?).

A outrora “Situação”, por ter dado moleza e espaço demais, agora geme na frustrante condição de “Oposição” e na humilhante “posição cata cavaco” - nanica, anêmica, submissa e indigna de pena e respeito por parte até da “maioria silenciosa”!

A outrora “Oposição” abocanhou tudo, está por cima, viagrada e tesa, é e será a “Situação” por algumas décadas - ousada, abusada, tão ou mais corrupta e dando mostras de sua natureza autoritária.

Ainda teríamos alguns recursos e capacidade de luta para colocarmos “um ponto final nessa esculhambação e orgia nacional”?

- Lá vem aquele velho senador, agora na “Oposição”, com expressão séria e aparentando “credibilidade inabalável” (sempre foi um representante da lei e da ordem), dá uma olhadela no calhamaço de papéis e tchan, tchan, tchan... - desdenhando fatos e provas, declara “Não quero condenar, quero absorver”.

- Reeleito, continua sendo bajulado e aplaudido, por mais graves que sejam suas declarações e atitudes diante dos ilícitos cometidos por seus companheiros e “próximos”. Recentemente, com a pose e arrogância própria de um proprietário de cardumes de piranhas, ele ‘dizeu’ em público: “Esse lambari, que a ’imprensa adversária’ diz ser o meu irmão mais velho, é ingênuo e posso assegurar que é inocente porque eu conheço ele a 61 anos...”.

- Os cabelos já estão brancos e a cabeça que está embaixo insiste em tingi-los de loiros. Essa loira tingida é escrava da maquiagem e do uso de “botox”. Essa dita cuja, ex-esposa de cantor frustrado e ainda atordoado pelos golpes recebidos quando praticava box, também é habilidosa em criar taxas. Entrevistada, dias atrás, revelou suas preferências e seus “ninfetos” pensamentos: “Caiam na real! Vocês foram estuprados. Agora, relaxem e gozem! Não esqueçam de usar camisinha, que o nosso governo distribui gratuitamente”.

- “Da mídia, da educação dos seus filhos e de vocês próprios, cuidamos nós”; “Deixem que suas filhas e filhos sigam a nossa cartilha e curtam o sexo. Garantimos o aborto, caso vocês esqueçam de usar a camisinha” – dizem os agentes saca-trapos e a mando dos atuais detentores do poder e seus “cérebros socialistas bolivarianos do Século XXI”.


Somos, ou apenas “estamos cidadãos miolos moles, objetos sexocializantes”?

Perdemos a capacidade de criticar, reagir e lutar? Estamos tomados pelo medo e não queremos “encrencas” com essas “minorias” detentoras de métodos covardes e violentos?

Anônimo disse...

Para que se caracterize um crime, acho que é preciso aparecer uma vítima, mas cadê as "vítimas" das prostitutas ?