quarta-feira, 17 de maio de 2006

ARMISTÍCIO em SÃO PAULO???

Marcos Willians Herba Camacho nascido em família pobre, mas não miserável, começou a carreira de crimes ainda adolescente batendo carteiras e furtando toca-fitas de quem passava pela Baixada do Glicério, antro de pobreza e pequenos crimes do centro de São Paulo.
Hoje, mais conhecido como MARCOLA (na foto acima), está condenado a 44 anos de cadeia e passou mais da metade da vida preso.
Mesmo de dentro da cadeia é o poderoso chefão do crime organizado em São Paulo e comanda o PCC (Primeiro Comando da Capital), e teria sido dele a ordem para desencadear uma onda de atos terroristas que assolou e parou a maior cidade do país entre os dias 12 e 15 do mês corrente.
O saldo da violência é assustador: 251 atentados contra agentes, viaturas e instalações de órgãos de segurança, 80 ônibus queimados e 15 agências bancárias depredadas, além de rebeliões em todos os presídios paulistas.
40 mortos entre policiais militares, guardas e policiais civis e 4 cidadãos comuns.
Do lado do inimigo, segundo autoridades paulistas, morreram 93 suspeitos em tiroteios com policiais, dos quais 40 ainda não foram identificados.
As ações terroristas comandadas por MARCOLA, segundo o comando da segurança pública de São Paulo, foram uma reação da facção criminosa PCC à transferência de líderes da organização para a penitenciária 2 de Presidente Venceslau (a 620 km da capital), complexo de segurança máxima idealizado para abrigar integrantes do crime organizado numa situação de isolamento total.
Entre os 765 detentos transferidos para o presídio está o próprio chefão, o MARCOLA.
A situação só começou a melhorar depois que MARCOLA supostamente ordenou um cessar fogo de suas hostes terroristas, determinando também o fim de todas as rebeliões em presídios.
A ordem teria sido dada depois que MARCOLA recebeu na cadeia onde se encontra preso, no domingo dia 14, a visita de uma comitiva formada pela advogada e ex-delegada Iracema Vaseiaveco, o coronel da PM Ailton Araújo Brandão, o corregedor Antônio Ruiz Lopes, representante da SAP (Secretaria Estadual de Administração Penitenciária) e o delegado da Polícia Civil José Luiz Cavalcante.
A Promotoria de Execuções Criminais de Presidente Prudente abriu investigação para tentar descobrir se houve ou não acordo entre o governo paulista e a organização criminosa comandada por MARCOLA, coisa que as autoridades paulistas, evidentemente, negam.
Afirmam que a visita foi apenas para verificar o “estado” de MARCOLA.
Se o acordo existiu realmente tratou-se de verdadeira capitulação do poder público diante do crime organizado.
A doutrina especializada internacional recomenda com veemência que não se deve negociar nem ceder a terroristas em hipótese nenhuma.
Isso porque ao ceder uma vez, cria-se estímulo para que novas "reivindicações" gerem nova onda de atentados já que, se deu certo uma vez, pode dar certo de novo!

8 comentários:

klatos disse...

Está cada vez mais difícil de se viver nesse estado.Agora com acordos com bandidos.Para mim bandido que faz acordo com bandido bandido é.
Não tem pulso esse secretário,comandante da PM.
Infeliz declaração do Comandante no "Estado de S. Paulo", que considerou a morte de 26 policiais menor do que se previa.
Que absurdo.
Disseram que estava tudo sob controle mas cancelaram todos os seus compromissos e ficaram atrás de seguranças em seus seguros gabinetes.

LCMarques disse...

Quem está preso, está por opção.
Olha aí o livre arbítrio...
Quem não quer estar lá na cadeia, sabe como se comportar.

Falar em problema social, é dizer que os pobres do Brasil estão autorizados a roubar e matar e isso não é uma verdade, a grande maioria não faz isso. Tem muita gente da classe média agindo criminosamente, derrubando a tese dos intelectuais.

Que tal pararmos prá pensar que os pais de inúmeros criminosos, menores, não sabem ou fingem que não sabem o que os filhos fazem?
Tenho a certeza de que se os pais acompanhassem e fossem resposabilizados criminalmente pelos que os filhos fazem o mundo seria diferente.
Quem acompanhou pela mídia o pronunciamento do pai do cara que fez besteira (crime) na cobertura, um ex-bombeiro, onde o pai falou que ele agiu assim porque estava desempregado, vai entender que a política econômica é a grande responsável acima da política social.
Mas que a justificativa social é fruto dos noticiários e intelectuóides e totalmente desconexa dos valores de uma sociedade que busca a convivencia pacífica.

Errou tem que pagar, independente da classe social.
Olho por olho significa que tem que existir uma pena correlata para todos que cometerem um crime, na mesma intensidade do prejuízo causado. Não que haja vingança.

Kafé Roceiro disse...

Se ele é um criminoso tem que pagar pelo seu crime. Sem regalias, sem visitas íntimas, senão não é castigo. Senão o crime passa a valer a pena! Nada de ceder para bandido!
abraço,
Kafé.

ester disse...

Difícil é afirmar se o acordo foi o pior para aquele justo momento.
Aceitar a ajuda oferecida pelo Gov.Federal também não parece que seria grande coisa. Todo o contingente da Polícia Federal é irrisório diante das Polícias Civil e Militar de SP. Quanto ao Exército, bem... eles não negociaram para reaver as armas roubadas?
A verdade dói: Manda quem pode, obedece quem tem juízo.
No momento, o PCC manda mais. Quem duvida?
Triste isso.

Alice disse...

Minha profª falando na sala : "Boa romaria faz ,quem em sua casa fica em paz " .Ontem a noite parou , colégios, faculdades.
Hoje ficamos esperando do outro lado da calçada ,os profªs vieram buscar a gente , com o argumento , gente é só boato,não sabia que boato atirava e nem queimava ônibus :( .
Bom dia

Augusto disse...

"Esse é o melhor dos mundos possíveis" o otimista e religioso filósofo alemão que proferiu essa frase deveria ter vindo ao Brasil antes de morrer. O PT segue à risca tal frase. Só espero que o banqueiro oportunista queira dizer e mostrar os documentos relativos às maracutaias do PT para nós finalmente vermos aquele verme descer a rampa do palácio.

LCMarques disse...

Fui, Ipatinga nos destroi e é destroçado pelo Mingau...

Lastimável...

Anônimo disse...

Os paulistas da capital gostavam de sacanear o Rio dizendo que aqui só tem bandido e lá tem o quê?