quinta-feira, 27 de abril de 2006

Obra de ficção!

O senador Aloisio Mercadante, potencial candidato do PT ao governo de São Paulo está lançando um livro.
Trata-se do livro "Brasil: primeiro tempo", lançado por Mercadante, como o "retrato fiel do Brasil", com a análise dos primeiros anos do Governo Lula e a comparação com o governo antecessor.
Quem já leu afirma que se trata de uma obra de ficção sobre aquilo que o autor gostaria que tivesse sido o governo do PT.
Se o livro não fala nada sobre mensalão, dólares na cueca, Land Rover de presente, valerioduto, GAMECORP e os seus 15 milhões da TELEMAR e muitas outras coisas, para não falar na quadrilha denunciada pelo procurador geral da república, só pode mesmo ser uma delirante e embriagada obra de ficção sobre um mundo da fantasia.
O lançamento do livro em Brasília ocorreu na noite de ontem com uma sessão de autógrafos prestigiada pelo presidente da república e a presença de ministros, militantes do PT, parlamentares, jornalistas e convidados.
Foram vendidos mais de 200 exemplares e o presidente ganhou um, disse que não vai ler mas o que livro é muito bom.
O livro se chama - Brasil, primeiro tempo - o que significa que o autor pretende escrever um "segundo tempo", o problema é que o procurador geral da república disse que sua denúncia criminal sobre os quadrilheiros do governo também terá outros capítulos o que pode mandar para o vinagre o sonho petralha de um segundo tempo!

4 comentários:

Anônimo disse...

O "primeiro tempo" do PT foi só um aperitivo. Se houver um "segundo tempo", aí a rapinagem vai ser mais grossa e deslavada ainda, por dois fatores básicos: 1) a consolidação da impunidade e a demonstração de carência de indignição pela população (em reeleger o ali babá), consistirá uma autorização explícita do eleitor para a continuidade da roubalheira; 2) os petistas, depois do segundo tempo, não terão seus empregos garantidos, daí vai liberar geral para garantir a manutenção do padrão de vida conquistado (jatinhos, uisque 12 anos, viagens internacionais, ternos armani etc.).

Anônimo disse...

A melhor obra sobre o desgoverno petista, ainda que bastante incompleta, pois se é uma quadrilha, deveriam ser todos presos para não atrapalhar o processo,nenhum dos quadrilheiros teve quaisquer de seus bens apreendidos e o maior beneficiário - o apedeuta Ali Lulla Babá da Silva sequer foi citado é o relatório capenga do MPF!Assim, não dá!

Novinha de Taubaté.

Augusto disse...

Aqui no Rio tinha um locutor de futebol até o início dos anos 90, muito bom chamado Januário Oliveira, da Bandeirantes. Ele criou diversos bordões como "tá lá um corpo estendido no chão"(quando alguém se contundia),"é disso, é disso que povo gosta"(quando era feito um gol), quando algum jogador isolava a bola cometendo um lance bizonho ele em tom debochado dizia "Bandeirantes o canal do esporte", isso entre muitos outros... Mas existe um que é o retrato do momento político que nós, não eleitores do Lulla, estamos constatando a cada dia e sempre me faz lembrar dos cidadãos que votaram no Lulla. O bordão é de quando começava o jogo: "TÁ AÍ O QUE VOCÊ QUERIA". Quem votou no Lulla ou está pensando em votar de novo lembrem-se do Januário.

Eleitor Desacorçoado disse...

Mercadante, filho de General. Devia ter uma raiva do pai...
Economista "meia colher", político fazedor de média, puxa-saco do Lula - pois, tenta no livreco induzir os militontos e demais eleitores ignorantes acreditarem que ele tem muitos pontos em comum com o Lula. Certamente, deve ter - não só com o Lula, mas também com Dirceu, Palocci, Genoíno, Silvinho, Delúbio, Valério...

Lula existe e é o que é hoje, por obra do General Golbery.

Raios! Como aqueles generais dos anos militares fizeram cacas e mais cacas! E a conta, quem paga?

Nós, otários da classe média, fieís pagadores do I.R. na Fonte.