quarta-feira, 29 de março de 2006

Fala o ator LIMA DUARTE!


LIMA DUARTE ABRE O VERBO CONTRA LULA !
Da Folha de São Paulo.
ÓDIO A LULA
"Odeio Lula porque faz uma glamourização da ignorância, contra o que tenho lutado a vida toda.
Também sou "analfa", fui criado como ele na roça, mas, puxa vida, descobri o encanto por trás da palavra escrita, a magia.
Num país carente de conhecimento, ele não pode ter esse procedimento.
É um imbecil, um idiota, um ignorante.
Quando ia ao cinema, ia com o cachorrinho no colo.
Para quê?"
Sobre o cachorro no colo no cinema o VOX LIBRE arrisca um palpite:
Seria para o cachorro LER as legendas e "explicar" o filme?

12 comentários:

Augusto disse...

Esse infeliz faz o mesmo personagem há mais de 30 anos. Ninguém deve dar crédito ao que esse velho senil diz. O eterno Zeca diabo, perdeu um bom momento pra ficar calado. Ator canastrão que interpreta o Zeca diabo aporrinhando a paciência de nós, pobres mortais.

Augusto disse...

Rá,Rá,Rá pode clonar o nome que eu uso não tem importância, pode escrever o que quiser. É sinal que eu estou incomodando algum arrombado petista. Na verdade até acho petistas gente boa, claro que dormindo. Porque quando vocês estão acordados, eu os odeio! O Lima Duarte é chato para caramba nisso o AUGUSTO CLONADO, tem razão, mas isso que ele falou, deve ter sido uma das únicas coisas prestáveis que aquela criatura balbuciou em sua existência.

Ester disse...

Também não gosto do Lima Duarte.
Eu lí hoje que ele teria mandado uma correspondência a todas as pessoas citadas na entrevista, com pedido de desculpas. A conferir.

Anônimo disse...

A ignorância de Lula é de somenos. O problema é a desonestidade. Seu partido é protagonista do maior escândalo de corrupção da história do país e ele "ignorava" o fato. Tá bom.

Caçador de Petistas disse...

Dizem que o cão no meio do filme se cansava de explicar as cenas saía do colo dele e ia mijar nos seus pés. Portanto, o cão já sabia com que tipo de gente estava lidando. Além de tudo, o cão não gostava de ficar no colo de um homem que fica chamando outros o tempo todo de companheiro, como ontem com o ex-ministro gordão. Cães não são desprovidos de inteligência, e com certeza deve ter pensado:"EU NÃO FICO EM COLO DE HOMEM, AINDA MAIS DE HOMEM QUE CHAMA OUTRO O TEMPO TODO DE COMPANHEIRO, ISSO É COISA DE HOMEM E MULHER EM UNIÃO ESTÁVEL". É por essas e outras que os caninos são o máximo e tb nos mostra porque esse partido está cheio de baitôlas.

Anônimo disse...

Boa sacada sobre o cachorro, não consigo parar de rir!!!!ahahahahahahahahahahahahaha


abcs
Rubone

Eleitor Desacorçoado disse...

A explicação é bem simplesinha, com um pouco de teteretê pra enfeitar...

Cachorro foi presente ganho de alto executivo de uma indústria automobilística. Era um cachorro com pedigree, minha gente!

Naqueles tempos, alguns cinemas ainda exigiam traje adequado, pelo menos um paletó, para não constranger freqüentadores sóbrios, educados, bla bla bla

Depois da primeira vez que e//e foi barrado, alguém lhe soprou no ouvido: "Na próxima, leva o cachorrinho que ele será reconhecido pelo pedigree. Daí, você diz que é o responsável pelo cachorro... e o seu patrão, um figurão internacional, pediu que levasse o cão para espairecer a mente e se desestressar..."

De tanto que deixaram as coisas acontecerem e correrem soltas as avacalhações, campeando a corrupção e impunidade, o atual período republicano, para ser registrado na História Oficial, será feito por um ficcionista e humorista...

Eleitor Desacorçoado disse...

Ao ler, "A Câmara já pagou mais de R$ 21 milhões com indenizações e restituições de janeiro até a 27/03/06, de acordo com os dados do SIAFI", é de se imaginar: “Políticos e asseclas pensam que dinheiro dá em árvore e é colhido por abnegados voluntários, que abastecem os feirões existentes em Brasília, capitais dos Estados e a maioria dos municípios”.

Ao ler, “Despedida: Jobim afirma que só comete erros quem faz”, lembrei-me da história de um médico recém formado, cujas 10 primeiras cirurgias causaram 13 mortes, sendo 10, de pacientes que morreram ainda na mesa de operação. A causa mortis de outros 3, foi: “susto, enquanto aguardava ser operado”, por ele.

Esclarecimento àqueles que vivem justificando erros e graves deslizes: "ACERTAR TAMBÉM É HUMANO!".

Basta de justificativas do tipo "rouba, mas faz", "erra, mas faz"! Essas justificativas só reforçam a cultura da corrupção e da impunidade.

Eleitor Desacorçoado disse...

A LADINAGEM IDEOLÓGICA PROMETE TUDO POR UM VOTO


1 - Reflexão Introdutória

“Povo consciente de seus deveres e direitos, apto a discernir e criticar a realidade, além de exercitar a cidadania, corre o risco de eleger um governo incompetente e corrupto?”

2 - O que é Ladinagem Ideológica?

Certamente, todos os povos estão sujeitos aos efeitos da maléfica “força do poder pelo poder”, cuja missão é sempre tentar agrupar os medíocres, desonestos e ampla gama de desclassificados, todos desejosos de “poder pelo poder” e, sobretudo, pelo dinheiro. Esses, uma vez agrupados, tornam-se praticantes da “ideologia da ladinagem”. Os “ladinos ideológicos” se amoitam em qualquer canto disponível entre a extrema esquerda e a extrema direita, não se descuidando nunca da arte de identificar e ludibriar eleitores insatisfeitos ou desatentos.

Em compensação, os efeitos de benéficas forças antagônicas à maléfica “força do poder pelo poder”, tornam os ladinos ideológicos predispostos a cometerem tantos atos falhos e erros, ao ponto de não conseguirem acobertar por muito tempo as falcatruas e crimes cometidos por eles. Pelo histórico de governos que, em maior ou menor grau, foram ocupados por ladinos ideológicos, é possível observar a existência da seguinte relação:

• À medida que a exposição da ignorância, incompetência, defeitos e crimes daqueles alçados ao governo é evidenciada e,
• Em função da capacidade de reação do povo e das instituições defensoras do Estado de Direito,
• Mais rapidamente será possível aplicar as punições e conseqüentes expulsões dos nefastos ladinos ideológicos do poder.

Essa relação “defeitos, erros e crimes dos ladinos ideológicos” versus “punição e expulsão do poder” deve-se, justamente, ao processo de autodestruição conhecido como “canibalismo em família”, iniciado sempre que ocorrer elevação do nível de defeitos de formação e de caráter dos ladinos ideológicos, tais como, incompetência, ganância, desonestidade, inveja, aversão aos valores éticos e morais, soberba, prepotência, etc.

Em relação às deficiências e fraquezas de um povo governado por ladinos ideológicos, podemos afirmar:

• Quanto menor for a participação consciente dos cidadãos na discussão dos atos, fatos e problemas da nação,
• Menor será a percepção, entendimento e discernimento da realidade interna e externa da nação, verdades serão distorcidas e mentiras prevalecerão,
• Menor será a capacidade de reação do povo e das instituições defensoras do Estado de Direito e, conseqüentemente,
• Maior será o tempo de permanência dos ladinos ideológicos no poder.

3 – Efeitos da Ladinagem Ideológica

O atual governo foi legitima e democraticamente alçado ao poder, não se pode negar. Na data de hoje, 31/03/2006, completa 3 anos e 3 meses do mandato.

O que é trágico no resultado das eleições realizadas em outubro de 2.002, são as omissões e ações despropositadas dos “vencedores” para encobrir os desvios de conduta de muito de seus companheiros e aliados políticos, ainda sob o efeito do deslumbramento “pelejamos, chegou a nossa vez, estamos e ficaremos no poder”, que teimam em continuar se lambuzando com as facilidades e incríveis poderes oferecidos pela máquina pública.

Podemos e devemos procurar entender o processo de tomada do poder por ladinos ideológicos, para aprendermos a evitar que ladinos mais bem preparados e resistentes aos democráticos “antibióticos anti-ditadura e anti-corrupção” provoquem uma infecção generalizada, sem condições de ser debelada.

Naquele momento eleitoral, em 2.002, milhões de eleitores mostravam-se insatisfeitos. Havia razões para insatisfações, motivadas pelos efeitos das baixas taxas de crescimento do país nos 8 últimos anos, desemprego, processos de privatizações sob suspeitas de entreguismo e corrupção, favorecimentos a bancos prestes a quebrar, etc.

Enfim, existia um ambiente favorável aos discursos da oposição, que soube colocar nos palanques e veículos da mídia a força total da ladinagem política, alavancada por generosas verbas arrecadadas para a campanha, interna e externamente (acusação do recebimento de 3 milhões de dólares recebidos de Cuba, feita por um ex-companheiro de importante e agora, um ex-ministro). Com dinheiro em Caixas “1” e “2”, foi possível a contratação de um milionário marqueteiro político – aliás, um expert em técnicas e truques para um público todo especial e “sui generis”.

Para facilitar ainda mais a tarefa do marqueteiro e seus propagandistas, boa parte dos nossos irmãos brasileiros escancarou “sui generis” traços culturais de comodismo e conformismo, facilmente detectável nas frases do tipo: “alguém fará isso por mim”, “não acredito mais em ninguém, é sempre a mesma coisa”, “que nada, nós não conseguiremos mudar nada, nunca”, “esse barbudo tem a cara e cheiro de povo, parece ponta firme e nunca esteve lá em cima, vou votar nele pra ver o que é que dá”, etc

Decorridos 3 anos e 3 meses do atual governo, a política econômica do governo anterior continuou de forma mais acentuada ainda. Impostos extorsivos, juros altos, lucros espetaculares para os banqueiros. Estranho, pois combater a política econômica do governo anterior era um dos grandes motes da campanha que elegeu o atual governo.

Os efeitos do “sucesso da atual política econômica”, delineada e praticada desde o governo anterior, são demonstrados pelos seguintes resultados do nosso PIB: Em 2.005, o PIB brasileiro totalizou R$ 1,937 trilhão, segundo dados divulgados pelo IBGE, fazendo que o Brasil avançasse da 15ª para a 11ª posição no ranking. Em décadas passadas o Brasil chegou a ocupar a 8ª posição no ranking das maiores economias do mundo, foi caindo e chegou na 15º posição.

Mesmo considerando-se os baixos crescimentos da economia nos últimos anos, onde estão as rendas auferidas pela economia que esteve entre a 15ª e a atual 11ª posição no ranking mundial? Também nos últimos 3 anos do atual governo, as rendas auferidas fizeram a felicidade dos credores da nossa dívida? O que se gasta em programas sociais, de tão pouco, não é distribuição de renda, é esmola com dinheiro público com retorno de votos para determinados “políticos privados, controladores dos cofres públicos”. Afinal, o governo anterior e o atual priorizaram resultados favoráveis a quem? À nação brasileira, ou aos capitais de banqueiros apátridas?

Decorridos 3 anos e 3 meses do atual governo, confirma-se de forma categórica a veracidade de muitos fatos denunciados a partir de fevereiro de 2.004, quando veio à tona o escândalo que deu origem à CPI dos Bingos e, inclusive, dando-se início a um processo de “canibalismo em família” que possibilitou que outros crimes fossem descobertos. O vergonhoso escândalo do Mensalão foi produto direto de brigas típicas de gângsteres de colarinho branco assustados e entrando em desespero.

Decorridos 3 anos e 3 meses do atual governo, apesar das tentativas de abafamento por parte de integrantes do governo e representantes de instituições públicas e privadas também envolvidas, esse “primeiro” escândalo continuou causando estragos. Desencadeamento de outros escândalos e conseqüentes obstáculos às investigações, blindagens viabilizadas pelas liminares acatadas pela justiça sempre célere nesses casos, depoentes calando-se ou mentindo, proliferação do dedo-durismo entre antigos e “bons companheiros”, comprometimentos entre chefes e subordinados ao ponto de enfraquecer princípios elementares de autoridade e disciplina, etc.

Decorridos 3 anos e 3 meses do atual governo, continuamos convivendo com problemas sociais gravíssimos e corrupção realimentada pela impunidade. A classe média está empobrecendo, sufocada por impostos extorsivos, juros altos e desemprego. Vida sofrida para milhões de brasileiros, que enfrentam uma cruel “alternativa”: se cadastrar em um e outro programa social, torcer para ser aceito e finalmente, ser oficialmente habilitado para trocar o voto por um mensalinho pago através de uma cesta básica e mais “trinta moedas de um real”, para fazer de conta que os filhos estão se aplicando nos estudos - “graças à preocupação e esforços do governo para convencer os responsáveis pelo gerenciamento da Economia, para a realocação com urgência de 3 milhões de reais da verba destinada ao pagamento no próximo ano dos juros da dívida externa, para esse programa social que no governo anterior não funcionava!”.

Decorridos mais de um século de vida republicana, ainda convivemos com a antiga prática de trocar alimentos básicos e baldes de água por cédulas de “Voto-Garantia de Permanência no Poder”, confirmando que a ladinagem ideológica é uma espécie de centenária e inteligente sanguessuga, que sempre dá um tempo para a presa produzir mais um pouco de sangue. Esse “ciclo sanguessuga e não suga” da ladinagem ideológica explicaria porque em certos períodos de governo, os ladinos ideológicos deixam mais espaços para políticos competentes e honestos. De fato, é possível observar através da história republicana o bom desempenho de alguns governos (e povo mais satisfeito e confiante), além da redução do grau de corrupção e impunidade.

4 – A realidade que a Ladinagem Ideológica tenta esconder. “Onde foi que nós erramos?”

Decorridos 3 anos e 3 meses do atual governo, o diálogo a seguir não é nenhuma história de ficção. É um diálogo “forçado e exagerado”, sim – mas, que sintetiza flagrantes da vida real de milhões de brasileiros.

- E agora, José? Tudo em riba? Já arranjou outro emprego?

- Não. Tudo na pior. Não sei onde estava com a cabeça quando acreditei que o meu emprego estaria garantido. Votei e fui traído. Continuo desempregado há mais de um ano, fazendo bicos na feira e catando latinhas de cerveja. Tudo na pior. Minha esposa está doente e com consulta marcada só pra daqui a dois meses, meu filho de 17 anos trabalha para traficantes de drogas e só está esperando a morte chegar pela bala de um fuzil, minha filha caçula foi arrancada de nós pela rede de prostituição infantil.

- Pois é, José. Hoje é dia 31 de Março de 2.006 e, passados exatos 42 anos daquela data de 1964, estamos próximos de chegar naquele gueto localizado no arrabalde da periferia mais afastada do primeiro mundo. Estaria aquele “país do futuro” a meio passo para entrar, descarada e vergonhosamente, na “Era da Excelência da Mediocridade, Corrupção e Impunidade Realimentada”?

- Tem 10 pilas aí, pra me emprestar?

- José, eu tenho que voltar pra casa antes que escureça e dê o horário do toque de recolher ordenado pelos traficantes. Amanhã a gente continua a nossa conversa. Tchau!

5 – Conclusão

Vamos deixar de lado as nossas angústias existenciais, preconceitos e birras contra a cachaça de hoje ou o chuchu de amanhã. Se não soubermos identificar quais seriam os “melhores e confiáveis” candidatos, então vamos identificar os “melhores” dos “menos piores” e, importante, redobrando nossos cuidados para não votar em “ladinos ideológicos”, por mais que esses tentem nos convencer “que se corrigiram moral e éticamente após longas e exaustivas reflexões, num completo clima de abertura mental e contando com as participações de um frei e um pastor, conselheiros espirituais e ideológicos, respectivamente, do nosso presidente e do presidente George W. Bush”. Uma coisa é certa e muito séria, não temos o direito de se acovardar, se omitir e anular o nosso voto. Voto nulo, jamais!

Autor: Eleitor Desacorçoado (mas que não desiste e não anula o voto)

Augusto disse...

O prezado ELEITOR DESACORÇOADO está coberto de razão.Gostei muito quando ele citou o entreguismo de empresas rentáveis como a VALE DO RIO DOCE vendida por uma merreca nos péssimos 8 anos do FHC, ainda mais com aquele PROER para beneficiar o Banco Nacional cujos netos do cara seriam herdeiros. Pagamentos para aprovação da Emenda da reeleição. Enfim, por essas e outras que chegamos ao fundo do poço. Mas ELEITOR DESACORÇOADO, ainda tenho muitas esperanças que o Geraldo ganhe a parada. Ele é um cara honesto e não tem nada a ver com os outros pústulas do PSDB. E ser um cara íntegro, como o Geraldo, nesse Brasil de hoje, já é muita coisa!
Esse Governo é um eterno paradoxo.É o governo do metalúrgico que quer desonrar um simples empregado doméstico. O ex-homem do povo que na verdade se lixa para o povo. Parabéns, ELEITOR DESACORÇOADO PELO TEXTO.

Marcia Graminhani disse...

O Roriz, o eterno governador do DF pelo PMDB, também fala errado. Ouvi-lo discursar é coisa pra quem tem estômago forte. É a maneira que ele encontrou para conectar-se com os seus eleitores, exatamente como está fazendo o Lula. O lema que comungam é: nivelar por baixo, não levantar marola, fazer de conta que somos "todos iguais" e, com isso, garantir o posto. Pra um povo que coloca a mão no bolso pra pagar telefonema pra Big Brother, parace que essa é a receita certa. Se eu penso que os políticos deveriam atuar no sentido de elevar o nível de conhecimento e discernimento do brasileiro ? Claro que sim. Não só na forma como vivem mas, especialmente, com políticas públicas adequadas para a Educação. Algo que permitisse que os professores pudessem ser, também, educadores. Essa seria uma chance concreta de esperarmos por uma geração de jovens com fortes valores éticos, que viesse a ser bons pais...

Romero disse...

A classe artística no Brasil quando abre a boca ou é para elogiar o governo petista ou para falar besteira! O artista brasileiro hoje é um vendido, dependente de verbas públicas. Existe uma osmose entre governos pilantras e artistas nem sempre honestos e éticos. O povo...dane-se!