quarta-feira, 18 de janeiro de 2006

O FIM DO MUNDO!

Na segunda feira dia 16, no post intitulado "ANESTESIA e INDIFERENÇA!", abordamos a atitude insensível de banhistas na praia de Ipanema no Rio de Janeiro que continuaram suas atividades de lazer a despeito da presença de um cadáver humano putrefato que esperou cerca de 6 horas na areia da praia até ser retirado pelas autoridades.
Finalizamos o post afirmando que a degradação dos valores morais da sociedade pode ser interpretada como um sinal do "fim dos tempos" e, finalizamos o texto ironizando com a eventual chegada de um meteoro destruidor da Terra!
Há vezes em que detesto descobrir que posso estar certo!
No dia de hoje a imprensa noticia que os níveis de radiação ultra violeta medidos em várias partes do Brasil chegaram a níveis inéditos e extremamente perigosos.
Medido em uma escala de 0 a 20, o nível de radiação UV chegou ao nível 13 no Rio de Janeiro e, apesar disso, as pessoas continuam deitadas nas areias das praias cariocas tomando banho de raios UV.
São as mesmas pessoas que não se incomodaram com a morte de um semelhante e parece que não se incomodam também com sua própria saúde.
Alguns irresponsáveis levam para a praia crianças, algumas de colo, parecendo não se importar com a possibilidade séria de aquisição de câncer de pele, entre outros estragos causados pela radiação UV!
O negócio é "pegar uma praia", custe o que custar e alguns idiotas consideram como um compromisso quase religioso o hábito de ir à praia para tomar sol.
Não acredite na propaganda das indústrias dos "protetores solares" pois o que funciona mesmo é evitar a exposição ao sol!
Em determinadas circunstâncias, uma atitude sábia é observar os animais.
Meus cães (que são três, dois poodles e um dobermann), que são "irracionais", mas não são estúpidos, tomam sol no início da manhã (de 7 às 9 horas), e no resto do dia procuram ficar à sombra!
Mas continuando o assunto do FIM DO MUNDO, o jornal O GLOBO trouxe ontem (terça feira dia 17), uma matéria sobre o respeitado cientista James Lovelock, que afirma que os efeitos do aquecimento global são irreversíveis e que bilhões de pessoas morrerão até o fim deste século em razão de inevitáveis desastres climáticos como enchentes de áreas costeiras e o aumento da temperatura em até 8 graus celsius.
Quem quiser ler a matéria completa, deve clicar no link no título deste post.

3 comentários:

Alice disse...

Que absurdo ,certa vez comentando aqui em casa , que houve uma época , que as pessoas qdo viam alguma pessoa morta na rua , ficavam escadalizadas,hj banalizou .Acho que deve ser final de uma " civilização " .A violência , está desse jeito , pq as pessoas acostumaram, não entendo,somos em número muito maior e uma minoria nos intimida ,tem hora que cansa , esperar por uma justiça ,se todo mundo do bem ,desse uma " sova " bem dada , desculpa de quebrar, teriamos menos violência , menos droga ,menos bandido ( ai vai aparecer alguém falando , que não pode, onde já se viu " olho por olho, dente por dente " ( desculpa a viajada no seu post,mas na real saco cheio de violência e nada de atitude concreta ) .
Fazer o que desse,povo que fica que nem "bife a milanesa" , na praia ,sérios candidatos a cancer de pele :(
Bom dia

Ricardo Rayol disse...

Bpm de uma forma ou de outra estamos ferrados. Ou a população vai morrer por conta do aquecimento global ou por fome. Ninguem me convence que temos um planeta que sustente a população mundial do jeito que vai crescendo.

Helena disse...

Caro Delegado, V.Sa. tem razão. Ontem vi no Fantástico matéria sobre pesquisas que nos leva ao Apocalipse, que já está em andamento. Pesquiso muito, religiões, ciências, geografia e profetas (bíblicos ou não), e além do mais tenho as minhas premonições. Nas minhas premonições, vejo inundações catástróficas e creio que metade da população será eliminada da face da terra. Não gosto muito de falar sobre o tema, pois tem pessoas que podem pensar que estou ficando maluca, mas é verdade, eu sei que isto vai acontecer, como tantas outras que já tive.
As pessoas precisam se humanizar mais, amar mais ao seu semelhante e sobretudo amar a Deus sobre todas as coisas e respeitar a natureza (ecologia).