quarta-feira, 3 de agosto de 2005

DUDA MENDONÇA, na foto, RINDO À TOA, é claro!!!


Da Folha de São Paulo
ESCÂNDALO DO MENSALÃO/A LISTA DE VALÉRIO
Repasses à sócia de publicitário somam R$ 15,5 mi, todos em 2003; segundo funcionária da SMPB, saques eram realizados por dois policiais civis de MG.
Agência de Duda sacou em ano não-eleitoral.
DA SUCURSAL DE BRASÍLIA
O total de recursos do suposto esquema de caixa dois transferido pelo empresário Marcos Valério para a publicitária Zilmar Fernandes da Silveira -sócia de Duda Mendonça-, representa cerca de 50% a mais do valor declarado ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) como pagamentos aos marqueteiros por serviços prestados na campanha eleitoral de 2002.
O objetivo dessas transferências do caixa dois, que totalizaram R$ 15,5 milhões, não foi esclarecido pela gerente administrativa da SMPB, Simone Reis Vasconcelos, em seu depoimento de anteontem à Polícia Federal.
As datas dos repasses são todas de um ano não-eleitoral, 2003.
Mais da metade dos pagamentos se deu entre fevereiro e abril daquele ano (R$ 10 milhões), um ano e três meses antes da disputa eleitoral de 2004.
Duda Mendonça, que hoje divide com outras duas agências o contrato de publicidade da Presidência, atuou na campanha de Lula por meio da empresa CEP (Comunicação e Estratégia Política), da qual Zilmar é sócia.
De acordo com a prestação de contas enviada ao TSE, a CEP atuou em cinco campanhas eleitorais em 2002.
Os valores declarados ao TSE foram os seguintes: Lula a presidente, com R$ 8,9 milhões; José Genoino (PT), ao governo de São Paulo, R$ 150 mil; Benedita da Silva (PT), ao governo do Rio, R$ 1,2 milhão; Aloizio Mercadante (PT), ao Senado por São Paulo, R$ 50 mil; e Adhemar de Barros Filho (PP), a deputado federal por São Paulo, R$ 65 mil.
Os valores agora revelados por Valério colocam em xeque uma nota pública divulgada por Zilmar no último dia 21, quando a CPI dos Correios divulgou o primeiro repasse à publicitária, no valor de R$ 250 mil.
Em nota, Zilmar disse que sua empresa recebera apenas R$ 500 mil, por suposto trabalho realizado para o Diretório Nacional do PT.
De acordo com o depoimento prestado anteontem à Polícia Federal, em Brasília, pela gerente administrativa de Valério, Simone Vasconcelos, os saques destinados à sócia de Duda eram realizados por dois policiais civis de Minas Gerais, David Rodrigues Alves e Luiz Costa Lara.
No depoimento que prestou à Polícia Federal de Minas Gerais, David Alves disse que entregava o dinheiro a Cristiano Paz, sócio de Marcos Valério.
O policial Lara afirmou que o dinheiro que sacou ficou sob responsabilidade de um taxista que morreu meses depois.
Entre os supostos responsáveis por receber os repasses, além de Zilmar, do próprio Duda e dos policiais, aparece na planilha de Valério o nome de Antônio Kalil Cury, que é diretor financeiro da Duda Mendonça Associados.
Além das campanhas eleitorais de 2002, o marqueteiro Duda Mendonça também organizou a festa da posse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na Esplanada dos Ministérios, em Brasília.
O PT divulgou, à época, que a festa custou cerca de R$ 1,5 milhão.

2 comentários:

COP disse...

Caro Rayol,

Como diz nosso ético Presidente, não podemos prejulgar.

É possível que o famoso vendedor de ilusões, Duda Mendonça, tenha uma explicação plausível para receber a modesta quantia de 15.5 milhões de reais de seu coleguinha de profissão, Marcos Valério.

Sabemos que o Sr. Marcos Valério gosta de animais, tanto que "arrendou" por 60 anos o CEPEL, centro de treinamento hípico em BH.

É possivel que Sr. Valério tenha resolvido se associar ao coleguinha Mendonça em outro centro de treinamento, agora de galos-de-briga.

Está aí uma explicação. Valério e Mendonça vão criar e treinar galos-de briga para as rinhas espalhadas pelo país.

É apenas um investimento e não tem nenhuma ligação com o PT ou o ético Presidente.

Elaine disse...

É preciso mais para pegar o "rinheiro". vamos aguardar.